Seguir por email

"O fim do Direito é a paz; o meio de atingi-lo, a luta. O Direito não é uma simples idéia, é força viva. Por isso a justiça sustenta, em uma das mãos, a balança, com que pesa o Direito, enquanto na outra segura a espada, por meio da qual se defende. A espada sem a balança é a força bruta, a balança sem a espada é a impotência do Direito. Uma completa a outra. O verdadeiro Estado de Direito só pode existir quando a justiça bradir a espada com a mesma habilidade com que manipula a balança."

-- Rudolf Von Ihering

Frases, poemas e mensagens no
http://pensador.uol.com.br


IDIOMA DESEJADO.

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

domingo, 30 de outubro de 2016

NASA's New 'Intruder Alert' System Spots An Incoming Asteroid (Novo sistema da Nasa alerta a presença de um novo asteroide).



Uma grande rocha espacial esta vindo bastante perto da Terra logo mais na tarde desta noite. Felizmente, ele não vai atingir a Terra, algo que os astrônomos tem a certeza graças em parte a uma nova ferramenta da NASA cuja está a desenvolvendo para a detecção de asteróides potencialmente perigosos.

A ferramenta é um programa de computador chamado Scout, e está sendo testado na NASA Jet Propulsion Laboratory em Pasadena, Califórnia. imaginem-o como um sistema de alerta de intruso celeste. Esta constantemente analisando dados de telescópios para ver se existem quaisquer relatórios dos chamados Objetos Próximos da Terra. Se encontrar um, faz um cálculo rápido para saber se a Terra está em risco, e instrui outros telescópios para fazer observações de monitoriamento para ver se algum risco é real.

A NASA paga por vários telescópios ao redor do planeta para digitalizar os céus todas as noites, olhando para esses objetos. "As pesquisas da NASA estão encontrando algo como, pelo menos, cinco asteróides todas as noites", diz o astrônomo Paul Chodas do JPL.

Mas então o truque é descobrir qual novos objetos pode atingir a Terra.

"Quando um destes telescópios encontra pela primeira vez um objeto em movimento, tudo o que sei é que é apenas um ponto, movendo-se no céu", diz Chodas. "Você não tem informações sobre o quão longe ele esta." Quanto mais você tem telescópios apontados para um objeto, quanto mais dados você tem, e quanto mais você tem certeza de qual poderá ser grande e de que maneira ele está indo. Mas às vezes você não tem muito tempo para fazer essas observações.

"Os objetos podem aproximar-se da Terra logo após a descoberta, por vezes, um dia, dois dias, até mesmo horas, em alguns casos", diz do JPL Davide Farnocchia. "O objetivo principal do Scout é para acelerar o processo de confirmação."

A rocha zunindo para Terra nesta noite foi descoberta na noite de 25-26 outubro pela Panorâmica Pesquisa Telescópio da NASA-financiando o Sistema de Resposta Rápida (Pan-STARRS) em Maui, Hawaii. Dentro de algumas horas, os detalhes preliminares sobre o objeto que apareceu em uma página da web mantido pelo Minor Planet Center no Observatório Smithsonian Astrophysical. O Scout fez uma análise rápida dos detalhes preliminares e determinou que o objeto estava vindo para terra, mas deveria desvia-se em cerca de 310.000 milhas.


Um telescópio no Havaí viu pela primeira vez uma pedra errante foi em direção a Terra. O programa Scout sinalizau rapidamente para observações de acompanhamento.Rob Ratkowski / Courtesy of Pan-STARRS fez observações adicionais por três telescópios, um operado pelo Observatório Steward, outro chamado Spacewatch, e um terceiro para os Observatórios Tenagra, confirmou o objeto iria desviar-se da Terra por uma margem confortável. Os astrônomos também foram capazes de estimar o tamanho do objeto: em cerca de 5 metros ou 25 metros de diâmetro. No caso se você estiver interessado, os detalhes sobre a trajetória do objeto pode ser encontrada aqui.

O Scout  ainda está em fase de testes. Deve tornar-se plenamente operacional no final deste ano.

Agora o Scout  está lidando principalmente com objetos bem pequenos, muito próximos. Complementando alén do Scout há outro sistema que já está operacional chamado Sentry.

O trabalho de Sentry é identificar objetos grandes o suficiente para acabar com uma cidade grande que pode atingir a Terra nos próximos cem anos. "Nosso objetivo agora é encontrar 90 por cento dos 140 metros, asteróides maiores", diz Chodas, mas agora ele estima que são apenas capaz de encontrar 25-30 por cento da quantidade estimada de objetos desse tamanho.

Esse número deve ficar melhor quando um novo telescópio que está sendo construído no Chile chamado o Grande Telescópio investigador Synoptic vem no rastro. A NASA também está considerando um telescópio espaço dedicado à procura de asteróides.

OK, então vamos dizer se você encontrar uma dessas pedras monstro que dirigem-se para a Terra. E então? 

Astrônomo Ed Lu diz que há algo que você poderá fazer. Ele é CEO de uma organização chamada B612. É dedicado a lidar com ameaças de asteróides.

"Se você sabe com antecedência, e por bastante antecedência Quero dizer 10 anos, 20 anos, 30 anos de antecedência que haverá algo que poderemos fazer", diz Lu ", então você pode desviar um asteróide por apenas dando-lhe uma minúscula cutucada pondo-o em muitos milhares de milhões de milhas de atingir a Terra ".

 ANASA e a Agência Espacial Europeia estão desenvolvendo uma missão para a prática para fazer isso.

Lu diz na última década as pessoas que devem se preocupar com tais coisas começaram a fazer planos concretos para lidar com asteróides perigosos.

"Eu acredito que nos próximos 10 a 15 anos estaremos realmente no ponto em que nós, como seres humanos vamos poder dizer, 'Hey, nós estamos a salvo desse perigo de grandes asteróides que atingem a Terra'", diz ele.

Enquanto isso, vamos ter de esperar que a sorte esteja do nosso lado.

October 30, 20165:17 AM ET


Asteroids regularly pass by Earth, as depicted here. A new NASA system called Scout aims to identify the ones that will come closest to the planet.
P. Carril/ESA
A large space rock is going to come fairly close to Earth later tonight. Fortunately, it's not going to hit Earth, something astronomers are sure of thanks in part to a new tool NASA is developing for detecting potentially dangerous asteroids.
The tool is a computer program called Scout, and it's being tested at NASA Jet Propulsion Laboratory in Pasadena, Calif. Think of Scout as a celestial intruder alert system. It's constantly scanning data from telescopes to see if there are any reports of so-called Near Earth Objects. If it finds one, it makes a quick calculation of whether Earth is at risk, and instructs other telescopes to make follow-up observations to see if any risk is real.
NASA pays for several telescopes around the planet to scan the skies on a nightly basis, looking for these objects. "The NASA surveys are finding something like at least five asteroids every night," says astronomer Paul Chodas of JPL.
But then the trick is to figure out which new objects might hit Earth.


"When a telescope first finds a moving object, all you know is it's just a dot, moving on the sky," says Chodas. "You have no information about how far away it is. "The more telescopes you get pointed at an object, the more data you get, and the more you're sure you are how big it is and which way it's headed. But sometimes you don't have a lot of time to make those observations.
"Objects can come close to the Earth shortly after discovery, sometimes one day, two days, even hours in some cases," says JPL's Davide Farnocchia. "The main goal of Scout is to speed up the confirmation process."
The rock whizzing past Earth tonight was discovered on the night of Oct. 25-26 by the NASA-funded Panoramic Survey Telescope & Rapid Response System (Pan-STARRS) on Maui, Hawaii. Within a few hours, preliminary details about the object appeared on a web page maintained by the Minor Planet Center at the Smithsonian Astrophysical Observatory. Scout did a quick analysis of the preliminary details and determined that the object was headed for Earth, but would miss us by about 310,000 miles.
A telescope in Hawaii first spotted an errant rock headed toward Earth. The Scout program quickly flagged it for follow-up observations.
Rob Ratkowski/Courtesy of Pan-STARRS
Additional observations by three telescopes, one operated by the Steward Observatory, another called Spacewatch, and a third at the Tenagra Observatories, confirmed the object would miss Earth by a comfortable margin. Astronomers were also able to estimate the size of the object: somewhere between 5 meters and 25 meters across. In case you're interested, full details about the object's trajectory can be found here.
Scout is still in the testing phase. It should become fully operational later this year.
Now Scout is mainly dealing with smallish, very nearby objects. Complementing Scout is another system which is already operational called Sentry.
Sentry's job is to identify objects large enough to wipe out a major city that might hit Earth in the next hundred years. "Our goal right now is to find 90 percent of the 140 meter asteroids and larger," says Chodas, but right now he estimates they're only able to find 25-30 percent of the estimated population of objects that size.
That number should get better when a new telescope being built in Chile called the Large Synoptic Survey Telescope comes on line. NASA is also considering a space telescope devoted to searching for asteroids.
OK, so let's say you find one of these monster rocks heading for Earth. What then? Astronomer Ed Lu says there is something you can do. He's CEO of an organization called B612. It's devoted to dealing with asteroid threats.
"If you know well in advance, and by well in advance I mean 10 years, 20 years, 30 years in advance which is something we can do, " says Lu, "then you can divert such an asteroid by just giving it a tiny nudge when it's many billions of miles from hitting the Earth."
NASA and the European Space Agency are developing a mission to practice doing just that.
Lu says in the last decade people who should worry about such things have begun to make concrete plans for dealing with dangerous asteroids.
"I believe in the next 10 to 15 years we'll actually be at the point where we as humans can say, 'Hey, we're safe from this danger of large asteroids hitting the Earth,' " he says.
In the meantime, we'll just have to hope that luck is on our side.

Nenhum comentário: